Sai da caverna: ninguém é insubstituível

  

  Abalado psicologicamente pela mortal ameaça de Jezabel (1 Rs 19.1-4), o profeta Elias, que demonstrou grande confiança em Deus e autoridade espiritual diante do povo de Israel no monte Carmelo (1 Rs 18.20-46), entrou numa caverna e pensou que apenas ele havia sido fiel à Javé em meio à apostasia que assolava o Reino do NorteAo que da parte do Senhor ouviu: "Também eu fiz ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda boca que não o beijou" (1 Rs 19.18).

Buscando compreender o sentido da resposta divina a Elias, podemos entender de que não somos insubstituíveis na obra do Senhor. Deus sempre conta com o remanescente fiel. Na Casa do Oleiro, constantemente haverá crentes que pleitearão pela causa do Mestre, servos abnegados que militam voluntariamente, "a fim de agradarem àquele [o Senhor] que os alistou para a guerra" (2 Tm 2.4, grifo meu).

Não sejamos altivos, a ponto de pensarmos que somos capazes de realizar alguma coisa mediante nossas próprias virtudes (1 Co 15.10). Tudo quanto já executamos, fazemos e, conforme a permissão de Deus, ainda vamos proceder é obra da inefável misericórdia de Deus (Lm 3.22; Gn 2.7; Sl 139). Conforme Filipenses 2.13, "Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua vontade".

Elias, numa das cavernas do monte Horebe,  pôde compreender melhor essas verdades espirituais e continuar seu profícuo ministério, entendendo de que era mais um entre tantos homens e mulheres de Deus que este podia usar para a realização de Sua obra. Esse profeta não era "o" servo, mas "um" servo à disposição de Javé. Na obra do Senhor, todos são importantes, mas ninguém insubstituível.

No Senhor,

João Paulo M. de Souza

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

João 3:16

História do Dia Internacional da Mulher